O escândalo do Sermão da Montanha

Poucas palavras de Jesus foram tão impactantes quanto as que ele proferiu em seu maior sermão, o da Montanha. Levando-se em consideração o contexto político, histórico e religioso, elas, no mínimo, soaram surpreendentes. Isso por que qualquer pessoa ali presente esperava ouvir exatamente o contrário do que foi dito por Jesus, desde as bem-aventuranças até a parábola dos dois fundamentos, no final do capítulo 7 de Mateus. Jesus desestabilizou os fundamentos religiosos que seus ouvintes tinham recebido até então. Como tornar-se simpático a uma mensagem que se inicia declarando felizes – felizardos, bem aventurados – justamente aqueles que são identificados, tanto por nossa geração quanto pelas passadas, como pessoas fracas e dignas de pena? Como imaginar, no tempo em que os mais perspicazes são os admirados e os que não “engolem sapos” alcançam seus objetivos, que os mansos, os limpos de coração e os misericordiosos herdarão a terra, alcançarão misericórdia e verão a Deus? Como imaginar alguém feliz por chorar, por buscar a justiça como se busca o alimento diário numa sociedade cada vez mais injusta e desigual? E mais: ser considerado feliz por ser perseguido e zombado por causa dessa mesma justiça? Que conceito de vida e felicidade é essa que Jesus quis transmitir? E mais: que conceitos são esses transmitidos em nosso tempo? Essas são perguntas cruéis. De uma coisa não podemos negar: de maneira magnífica o Reino dos Céus e sua justiça foram expostos por Jesus e Ele deixou bem claro que, na sua essência, eles se opõem ao sistema estabelecido, que chamamos mundo. Diariamente somos confrontados com os valores que recebemos do mundo e com os que a Bíblia nos ensina sobre a felicidade. Os do mundo, passageiros e superficiais; os da Bíblia, verdadeiros e que apontam para eternidade. Os do mundo materializam-na por meio de posses, status, dinheiro, aqui e agora. Os da Bíblia a colocam em campos que quase nunca redundam em reconhecimento, glória e poder e por isso são tão infames. Nessa disputa sem fim, a inevitável pergunta que surge é: por quais valores somos guiados? O que nos move: o sermão do monte ou o estilo de vida dos grandes multimilionários, que tem seus nomes divulgados periodicamente em revistas especializadas nesse tipo de gente? Certamente não é possível abraçar as duas visões. Se agarramos uma, fatalmente abandonamos a outra. No entanto, apesar de serem perguntas duras, suas respostas podem ser percebidas não por palavras apenas, mas por condutas, posturas. Podemos até responder positiva e biblicamente, mas serão nossas atitudes que confirmarão ou denunciarão nossas intenções. Existem várias maneiras de avaliar a coerência da resposta da igreja – comunidade de fé, em que o cabeça é Cristo e não templos ou denominações – e uma delas está nas músicas que cantamos. Em um pequeno exercício de leitura há um tempo, li cada cântico da Harpa Cristã, hinário seguido por várias denominações, como as Assembléias de Deus. São composições antigas que expressam bem os anseios dos irmãos de um período especifico do evangelicalismo brasileiro. A esperança da Glória, a justificação, a alegria do perdão proveniente do sacrifício de Cristo, a alegria de uma nova vida que somente Cristo pode dar, a comunhão com Deus e os irmãos, a Graça, o escândalo da Cruz e sua mensagem, a renúncia e tantos outros temas tão comuns

Jean Costa

Cristão, moro em Macau/RN, tenho 45 anos, cinco lindos filhos, Missionário Virtual, viciado em leitura e apaixonado por internet.

Você pode gostar...

Você deseja Memorizar a Bíblia Sagrada? Então Clique no Botão ao lado Agora!Clique Aqui e COMECE AGORA!
%d blogueiros gostam disto: